web analytics
Foi ao lermos a edição de hoje do jornal Correio da Manhã que soubemos que um dos candidatos a Bastonário da Ordem dos Médicos é Médico de Saúde Pública. Falo do Dr. Carlos José Pereira da Silva Santos, que foi Delegado Regional de Saúde na Região de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo entre 1999 e 2005, actual docente da Escola Nacional de Saúde Pública e que conhecemos muito bem.
A sua candidatura apresenta-se como uma “Alternativa para a Ordem dos Médicos” e pode ser seguida nos dois (??!!!) blogues da candidatura, aqui e aqui. Segundo conseguimos perceber, a lista que encabeça contempla ainda mais alguns Médicos de Saúde Pública. A título de exemplo: Dra. Graciela Lopes Valente Simões; Dr. Nuno Filipe Ambrósio Lopes; e Dra. Teresa Cristina Ferreira Galhardo.
Apresento-vos, entretanto, a declaração de candidatura do Dr. Silva Santos.

«Um Presidente Alternativo para a Ordem dos Médicos
Declaração de Lisboa

Carlos José Pereira da Silva Santos
Chefe de Serviço de Saúde Pública da ARSLVT IP, Doutor em Saúde Pública, Professor Auxiliar Convidado da ENSP/UNL

Vamos entrar em campanha eleitoral. A candidatura alternativa apresenta-se aos médicos e à comunicação social com um trabalho feito de múltiplos contactos de grande abrangência, com um levantamento alargado das razões de descontentamento e das preocupações de muitas centenas de médicos. Desenvolvemos um processo exemplar de dinamização dos colegas com base em diagnósticos precisos da realidade e das ameaças em curso, construímos projectos e propostas que se encontram em desenvolvimento dinâmico e que durante a campanha eleitoral irão ser contrastadas com a vivência e a praxis dos médicos.
Entregámos as listas alternativas para a Secção Regional Sul, distritos médicos de Lisboa, Grande Lisboa e Beja. Contamos com votantes e apoiantes em muitas outras listas tanto nas Secções Regionais Norte como Centro e na generalidade das listas dos restantes distritos médicos.
Apresentamos hoje o programa base da candidatura Alternativa que irá enquadrar os múltiplos contributos individuais e de grupo que irão enriquecer o debate e a reflexão escrita sobre os diversos temas da agenda. Será o nosso contributo para colmatar a vil pobreza de pensamento escrito actual e da inteira responsabilidade das direcções, actual e anterior da OM.

Os grandes temas de iremos animar serão:
  • A questão das Carreiras Médicas, passado presente e futuro.
  • A questão do Serviço Nacional de Saúde, o presente e o futuro.
  • A questão dos jovens médicos, síntese prática e operativa das duas primeiras grandes questões temáticas.
Como candidato a Bastonário da Ordem dos médicos apresento-me aos médicos do todo nacional como a candidatura melhor colocado para enfrentar o desafio de travar a subversão e a programada destruição do Serviço Nacional de Saúde Constitucional, a liquidação das Carreiras Médicas, a desqualificação geral da actividade médica e derrocada dos princípios éticos e deontológicos da profissão.
Represento a candidatura melhor colocada para, em conjunto com todos os médicos das diversas sensibilidades e qualificações, definir uma agenda da OM, apresentar e defender propostas de progresso para a defesa dos interesses dos médicos, da medicina, dos serviços de saúde e da saúde dos portugueses.

Como candidato considero reunir os atributos necessários para enfrentar o desafio e reverter a actual situação de pré desastre para a profissão médica e para a saúde em Portugal na medida em que possuo capacidades:

  1. Capacidade e saber par identificar, analisar os problemas sentidos pelos médicos e apresentar soluções efectivas.
  2. Capacidade de avaliar técnica e cientificamente as medidas e propostas do governo e propor alternativas fundamentadas.
  3. Capacidade de desenvolver trabalho colectivo e de promover a cooperação inter profissional.
  4. Capacidade de promover a unidade dos médicos respeitando a diversidade de opiniões e de interesses legítimos.
  5. Capacidade de leitura política da realidade da saúde e dos serviços e de equacionar as prioridades da agenda da OM e dos médicos.
Domino saberes pertinentes para a acção:
  1. Sei contextualizar saberes teóricos e a realidade da saúde/ doença.
  2. Sei o que quero saber sobre a produção de cuidados médicos e sobre a história natural das doenças.
  3. Sei onde encontrar a informação que fundamente a tomada de decisões com evidência.
  4. Sei identificar e abordar quem conhece ou está apto a investigar na área da saúde e dos serviços de saúde.
  5. Sei o que não sei e por isso me reservarei até está informado.
Estou preparado para agir porque sei fazer:
  1. Gerir a informação pertinente em saúde.
  2. Gerir grupos de trabalho para a produção de pensamento consensual e fundamentado.
  3. Gerir investigação não só sobre saúde/doença como sobre serviços de saúde.
  4. Gerir conflitos de interesses técnicos entre profissionais ou entidades do SNS.
  5. Gerir a acção em política de saúde com base em conhecimentos evidentes.
Podemos mudar a OM e as nossas perspectivas de futuro. Assim os médicos o queiram.»

Ele “reúne os atributos”, “domina os saberes” e “está preparado”, e quem somos nós para o contestar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *