web analytics
«A bactéria da Legionella voltou à baila. Desta feita foi o vereador do PS [da Câmara Municipal da Póvoa do Varzim], Sousa Lima, quem levantou a possibilidade da bactéria continuar nas instalações da Varzim Lazer.
A delegada de saúde diz que a Legionella não se transmite pelo ar e que a suspeita é infundada.
Sousa Lima tem que provar o que afirmou ou então leva com um processo judicial, como referiu Macedo Vieira [presidente da Câmara da Póvoa de Varzim].
Tratando-se de um caso de saúde pública, Sousa Lima deve dar explicações aos poveiros.»

Esta é uma notícia avançada hoje pelo Jornal “A Voz da Póvoa” e que retoma uma situação vivida no início do ano, evidenciada pelo “Póvoa Semanário” e que dava conta de que “o jacuzzi da Varzim Lazer esteve interditado à utilização pública entre 22 de Janeiro e 18 de Fevereiro. Uma análise realizada pela Delegação de Saúde da Póvoa de Varzim às águas desse espaço detectou a presença de Legionella Pneumophila – bactéria responsável por 1/3 das mais graves formas de pneumonia.

Entretanto pergunto: – Se “a legionella não se transmite pelo ar“, afinal como é que se transmite? Será que o risco de contrair a doença está na ingestão da água? Se sim, em vez de uma pneumonia atípica, não deveriamos falar de uma eventual infecção de origem alimentar?

Admito que esta frase tenha sido “colada” na notícia de forma descontextualizada, pelo que julgo dever ser merecedora de reparo, mas não serei eu, com certeza, a fazê-lo!

——————————
Nota: parêntesis, negritos e itálicos meus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *