web analytics
Este é o segundo ano que aderimos ao Blog Action Day.

Depois de em 2007 aqui termos feitos alusão a esta iniciativa, este ano voltámos a aderir para vos darmos conta daquelas que são as nossas preocupações e opiniões relativas ao tema definido para 2008, a pobreza, naquilo que diz respeito aos assuntos que aqui vamos abordando, a saúde ambiental.

Confesso que inicialmente cheguei a ter alguma dificuldade em relacionar os assuntos mas, após breves momentos, a relação acabou por me parecer óbvia.

Falemos então da pobreza de espírito que desde há uns anos a esta parte tem assolado os governantes e demais indivíduos que se mantêm “pendurados” em lugares de destaque, ocupando posições decisoras deste país.

Podiamos claramente fechar os olhos e apontar o dedo, de forma aleatória, que os potenciais alvos seriam muitos e todos eles seriam alvos de eleição para este tema, senão vejamos:

  • A Direcção-Geral da Saúde, e seu director, relativamente à gestão da comunicação associada à implementação da lei do tabaco;
  • A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, e seu director, relativamente ao papel inquisidor que têm assumido perante a opinião pública naquilo que diz (des)respeito àquela que é a sua missão, visão e valores;
  • O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, e respectivo ministro, relativamente à gestão dos processos de adequação dos cursos de Saúde Ambiental (falemos só destes) a Bolonha;
  • O Ministério da Saúde, e respectivo ministro (o anterior, entenda-se), relativamente à contradição consequente naquilo que diz(ia) respeito aos Centros Regionais de Saúde Pública e tudo o que posteriormente veio a assolar o desempenho em Saúde Ambiental, nomeadamente (i) contra-informação acerca da integração dos Técnicos de Saúde Ambiental nas autarquias, (ii) nomeação de personalidades, para a chefia de alguns Departamentos de Saúde Pública, sem o perfil adequado, potenciando atritos e eliminando sinergias já criadas para a efectiva resolução de problemas em saúde, (iii) valorização exacerbada daqueles que em nada prestigiam a Saúde Pública e a Saúde Ambiental (estou a recordar-me de algumas pessoas que podiam perfeitamente ser reformadas compulsivamente)…
E estes são meros exemplos daquilo que podemos referir e desenvolver numa mensagem deste tipo. Lembram-se de mais alguns? Haverá com certeza, ou não fosse a pobreza, material ou não, potenciadora de doença. E a iliteracia em saúde?… Não será também ela, pobreza?

Aproveitem o espaço de comentários deste post para assumirem, também vocês, um papel relevante neste Blog Action Day.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *