web analytics

Teve lugar na passada quarta-feira, dia 7 de setembro, no Campus Tecnológico e Nuclear do Instituto Superior Técnico (IST) da Universidade de Lisboa, a reunião de kick-off do projeto Interreg Sudoe ClimACT “Acting for the transition to a low carbon economy in schools – development of support tools”.

Equipa ClimACT na reunião de kick-of no Campus Tecnológico e Nuclear do IST

O ClimACT, que será liderado por Portugal, foi recentemente aprovado no âmbito do programa Interreg SUDOE e  irá ser implementado em 35 escolas piloto de Portugal, Espanha, França e Gibraltar.

O programa Interreg SUDOE visa promover a cooperação transnacional para resolver problemas comuns às regiões do Sudoeste Europeu, estando o projeto entretanto aprovado inserido no eixo prioritário “Economia de Baixo Teor de Carbono”. O projeto ClimACT tem um orçamento global de cerca de 1,4 milhões de euros e este programa aprovou um financiamento de 993 mil euros (FEDER), dos quais cerca de 450 mil euros serão afetos à participação portuguesa.

O ClimACT pretende apoiar a transição para uma economia de baixo carbono nas escolas, alicerçado em quatro linhas de atuação, nomeadamente: (i) desenvolvimento de ferramentas de apoio à decisão que permitirão às escolas aumentar sua eficiência energética, através da gestão inteligente de recursos, energias renováveis e alteração de comportamentos; (ii) desenvolvimento de modelos de negócio e de novas estratégias de gestão energética para as escolas; (iii) desenvolvimento de ferramentas educacionais para a sensibilização em baixo carbono; e (iv) criação de uma rede temática/Living Lab na região SUDOE (Sudoeste Europeu) para promover a consciencialização e capacitação e terá uma duração de três anos.

A coordenação do projeto estará a cargo do Centro de Ciências e Tecnologias Nucleares (C2TN), unidade de investigação do IST, sendo o consórcio constituído por nove entidades europeias: quatro de Portugal, o IST, o ISQ, a Edigreen e a ABAE; duas de Espanha, o CIEMAT e a Universidad de Sevilha; duas de França, a Université de la Rochelle e a Ville de la Rochelle; e uma do Reino Unido (Gibraltar), a University of Gibraltar.

Salienta-se ainda o facto da equipa do IST integrar quatro licenciados em Saúde Ambiental pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), sendo que três deles são docentes da área científica de Saúde Ambiental, nomeadamente: Marina Almeida-Silva, Tiago Faria e Vítor Manteigas (coordenador do Programa Eco-Escolas na ESTeSL).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *