web analytics

No passado dia 14 de novembro, na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL), teve lugar a Conferência Profissões de Diagnóstico e Terapêutica: A História e os Desafios Futuros, onde as dezoito áreas profissionais de diagnóstico e terapêutica se fizeram representar por profissionais em exercício, convidados a fazer alusão à história da sua profissão, ao seu percurso profissional e àqueles que consideram ser os desafios para o futuro.

A Saúde Ambiental marcou presença na pessoa da colega Vera Artilheiro que começou por fazer uma breve abordagem à história dos profissionais de Saúde Ambiental, referindo-se à formação dos Técnicos Auxiliares Sanitários no Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, passando pela criação do curso de Higiene e Saúde Ambiental nas Escolas Técnicas dos Serviços de Saúde e terminando com a alusão aos graus de bacharelato e posteriormente de licenciatura naquilo que referiu ser a integração do ensino destes profissionais a um nível académico correspondente às exigências do exercício. Este exercício que inicialmente se confinava aos Cuidados de Saúde Primários, rapidamente ganhou protagonismo na Saúde Ocupacional e que atualmente começa a singrar na Gestão Ambiental.

A prova desta mudança de paradigma acabou por ser relatada na primeira pessoa pela Vera Artilheiro, licenciada em Saúde Ambiental e mestre em Energia e Ambiente, que atualmente exerce funções enquanto diretora de Qualidade e Ambiente numa empresa multinacional.

Os desafios futuros que ela identificou acabam por ser o reflexo daquele que foi o seu percurso académico e profissional. Enfatizou a importância da vivência de experiências noutros contextos sendo que para isso é imperioso que consigamos sair da nossa “zona de conforto” e ganhemos protagonismo onde a “magia acontece”.

Terminou, apresentando-nos o excerto de um diálogo da fábula infanto-juvenil “Alice no País das Maravilhas” com o objetivo que nos deixar, para nós, o ónus da decisão do caminho que deveremos tomar.

– Pode dizer-me que caminho devo tomar? – Perguntou Alice.
– Isto depende do lugar para onde você quer ir. – Respondeu o gato.
– Não tenho destino certo. – Retorquiu a Alice.
– Neste caso, qualquer caminho serve! – Exclamou o gato.

E vocês, que caminho querem tomar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *