A propósito da rubrica “Onde Estamos?“, lançámos o desafio ao colega Rogério Nunes para que nos contasse como haviam corrido as coisas por Vancouver (ver Onde Estamos?… Estamos no IFEH 11th Congress on Environmental Health em Vancouver). Depois de termos estado em San Diego (ver A Saúde Ambiental no Air Pollution and Health: Bridging the gap) e em Syracuse (ver Estamos no Healthy BuildingsDe regresso a Portugal), deixamos aqui o relato da passagem deste nosso colega por Vancouver, enfatizando-se, mais uma vez, a importância que tem a nossa participação neste tipo de eventos.

Estamos em Vancouver, Colômbia Britânica, Reino do Canadá.

Foi uma longa viagem. Duas horas e meia até Amesterdão, seis horas de escala no aeroporto de Schiphol e nove horas até ao destino com um fuso horário de menos sete horas.

O que motivou este jornada foi a realização do bianual Congresso Mundial de Saúde Ambiental da Federação Internacional de Saúde Ambiental onde Portugal está representado, deste 2009, pela Sociedade Portuguesa de Saúde Ambiental.

Por sermos um membro recente, foi pela primeira vez desfraldada uma novíssima bandeira da República Portuguesa e colocada ao lado das restantes trinta e oito já viajadas pelos quatro cantos do mundo.

Esta participação no IFEH2010 teve como objectivo expor uma comunicação intitulada “Intervenção Comunitária no Ensino Superior de Saúde Ambiental”, onde foi relatado o modo de funcionamento das unidades curriculares Projecto I, II e III do Curso de Saúde Ambiental do IPBeja e apresentado o trabalho de alunos e professores.

A cidade de Vancouver é fantástica e o evento estava luxuosamente organizado. Tão importante como aprendermos com as experiências dos colegas nas sessões de trabalho é a oportunidade de conhecer os confrades de Saúde Ambiental.

Portugal é um País bastante conhecido e acarinhado por todos. Fica a sensação que os únicos menos agradados com Portugal são os portugueses!

Foi possível confraternizar e estabelecer laços com colegas da Austrália, Reino Unido, África do Sul, USA, Malásia, Dinamarca, Holanda, Uganda…. Em contraste com o ainda incipiente reconhecimento social no nosso País da profissão de técnico de saúde ambiental, foi fácil perceber que em muitos países esta é uma actividade de elevado estatuto profissional e social.

Para aqueles que estão a pensar nas dificuldades orçamentais, deve ser dito que esta aventura foi possível graças a um financiamento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Esta não é a única fundação a disponibilizar este tipo de apoios e o primeiro passo é candidatarem-se…

Como uma imagem vale mais que mil palavras fica o endereço do álbum do congresso para que possam sentir o ambiente vivido.

O próximo congresso mundial será em 2012 na cidade de Vilnius, capital da Lituânia onde faço votos que a delegação portuguesa não volte a ser constituída por um único elemento.

Em 2012, todos a Vilnius!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *