web analytics

Foi publicado no passado dia 5 de Novembro de 2010, o Anúncio n.º 10626/2010, dando conta  de que a Agência Portuguesa do Ambiente pretende recrutar Técnicos Superiores, mediante mobilidade interna na categoria, nos termos da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro, em regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas por tempo indeterminado, para exercer funções em algumas áreas, nomeadamente:  

  • Prevenção de acidentes graves envolvendo substâncias perigosas;
  • Competências do Laboratório de Referência do Ambiente;
  • Gestão de resíduos ou de saneamento básico;
  • Económico-financeira, para análise e elaboração de estudos, pareceres e informações;
  • Gestão e auditoria ambientais, bem como em análise de processos de licenciamento ambiental;
  • Relacionadas com as emissões de gases com efeito de estufa (GEE), comercio europeu de licenças de emissão e substâncias que destroem a camada de ozono, bem como as relacionadas com as emissões de poluentes atmosféricos e qualidade do ar;
  • Estratégias de ambiente, nos domínios de planeamento e gestão em matéria de resíduos, comunicação de políticas e estratégias de ambiente, bem como de avaliação e comunicação da sustentabilidade ambiental; e
  • Definição, análise e coordenação de projectos de educação ambiental para a sustentabilidade e promoção da cidadania.

O mais interessante na informação que aqui vos deixamos e que interessará  a alguns dos nossos leitores, Técnicos de Saúde Ambiental (que já sejam Técnicos Superiores sendo esta é a interpretação que faço da mobilidade interna na categoria – A mobilidade na categoria opera-se para o exercício de funções inerentes à categoria de que o trabalhador é titular, na mesma actividade ou em diferente actividade para que detenha habilitação adequada), é o facto da licenciatura em Saúde Ambiental ser uma das preferenciais para quem se candidate ao exercício de funções na área de estratégias de ambiente, nos domínios de planeamento e gestão em matéria de resíduos, comunicação de políticas e estratégias de ambiente, bem como de avaliação e comunicação da sustentabilidade ambiental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *