O teu plástico não me é estranho!…

Hoje, a propósito do Dia Mundial do Ambiente, onde o tema é os plásticos e a “poluição plástica”, deixamos aqui o artigo “ironicamente” de opinião, escrito pelos estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL), Pedro Pena e Cristiana Costa, que lhes valeu a participação enquanto Jovens Repórteres para o Ambiente na Missão Rock in Rio, que terá lugar entre os dias 28 de junho e 1 de julho, em Lisboa.

Com base nas poucas vivências, na inocência da tenra idade de pouco mais que um século empreendedor, uma noção de realidade irreverente às (novas) normas sociais em vigor: “gastar plástico”.

O plástico!…

São indiscutíveis as vantagens da sua utilização. A hipocrisia não tem limite neste tema devido às “desculpas” que ninguém clama ter para tão grande “problema”, a seus olhos.

Pois bem, um descarte de responsabilidade, e um “punhado” de velhos costumes (e como há “modas” que nunca se perdem), mais fácil é atirar um saco de plástico ao chão, que o separar para fins de reciclagem.

O teu plástico não me é estranho!...

Não julguemos o pobre indivíduo que tão arduamente procurou pela forma mais sensata de se desfazer do produto. Julguemos antes as alterações climáticas! Se não fosse essa “invenção” dos ambientalistas, ninguém reclamaria de ação tão simples e que tão pouco mal faz ao mundo. “Um saco de plástico é só um saco de plástico!”

Tanta poesia numa frase tão simples. Analisemos as metáforas presentes em cada palavra e ignoremos a quantidade de animais extintos, por exemplo. Estes não são nada comparado com a supremacia do Homem! Ignoremos a desertificação, a fome, a dizimação de culturas e o assassinato da verdade. Tudo mentiras! Preferíveis são os interesses do Homem, seguir tendências. Curioso que salvar o mundo do Homem nunca foi tendência. Talvez porque nunca houve necessidade, dizem os eruditos na matéria.

O ignorante ainda diz que é impossível uma ilha de plástico no meio do oceano. Tem toda a razão, até parece que a ida ao espaço alguma vez foi possível! Calúnias! Foquemo-nos no importante, deixemo-nos de atrocidades e preparem-se os “ricos”, que as políticas de sustentabilidade são completamente desnecessárias e poluir é um direito.

(In)feliz do Homem que assim pensa. Que a ironia não sirva de sátira à verdade, mas reforce o bom senso. “Um saco de plástico é só um saco de plástico”. Então que o Homem seja Homem e assuma a sua responsabilidade para com a Natureza que o sustenta.

A Saúde Ambiental na “Vida Verde”

No passado dia 28 de maio, a Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL) foi tema de conversa no programa Manhãs na TV.

O professor Vítor Manteigas, docente de Saúde Ambiental, coordenador dos Programas Eco-Escolas e Jovens Repórteres para o Ambiente da ESTeSL e Coordenador Baixo Carbono no âmbito do projeto Interreg Sudoe ClimACT, foi convidado a participar a rubrica “Vida Verde” do programa Manhãs na TV da Kuriakos TV, onde fez alusão ao trabalho que tem vindo a ser feito no âmbito da Educação Ambiental para a Sustentabilidade e onde, naturalmente, os estudantes do curso de licenciatura em Saúde Ambiental têm tido um papel de destaque.

Neste “Vida Verde”, para além da apresentação da rubrica, fez-se uma primeira abordagem à problemática dos resíduos plásticos que voltará a ser objeto de atenção numa próxima edição.

Um “REMEDIO” para os problemas de mobilidade

Integrado nas atividades propostas para a unidade curricular de Estágio em Saúde Ambiental I, do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL), os estudantes, Cláudia Rodrigues, Fábio Costa e Tiago Pontes, realizaram uma vídeo-reportagem para o projeto Remedio Interreg MED e Programa Jovens Repórteres para o Ambiente.

O projeto REMEDIO Interreg MED, que visa testar medidas de baixo teor de carbono em quatro cidades europeias: Loures, Treviso, Split e Salónica, irá colocar em prática o conceito de mobilidade sustentável e, cumulativamente, promover avaliações de qualidade do ar, de ruído e de tráfego. Em Portugal, Loures foi o município selecionado, sendo a Avenida de Moscavide, a área onde têm vindo a ser implementadas as medidas preconizadas no âmbito do projeto e promovida a monitorização da qualidade do ar, indicador que se pretende melhorar e fixar em valores aceitáveis e seguros.

O trabalho Um “REMEDIO” para os problemas de mobilidade, dá a conhecer algumas das melhorias associadas à mobilidade, já realizadas no âmbito do projeto REMEDIO Interreg MED.

Docente de Saúde Ambiental distinguido pelo Instituto Politécnico de Lisboa

Decorreu no passado dia 3 de maio de 2018, no Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), a cerimónia de celebração do 32.º aniversário do Instituto Politécnico de Lisboa (IPL). Durante a cerimónia, foi distinguido com o Prémio de Excelência nas áreas de Tecnologias e Engenharias, relativo aos Prémios de Reconhecimento de Atividades com Relevância na Comunidade, o professor Vítor Manteigas, docente do curso de licenciatura em Saúde Ambiental da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL).

Docente de Saúde Ambiental distinguido no 32.º Aniversário do Instituto Politécnico de Lisboa

A atribuição dos Prémios de Reconhecimento de Atividades com Relevância na Comunidade pretende reconhecer o trabalho de docentes, investigadores e pessoal não docente na sua relação com a comunidade, nas situações em que existe uma interação clara, através do trabalho desenvolvido, da Unidade Orgânica ou do IPL, para a sociedade. Anualmente é atribuído um Prémio de Excelência por cada grande área do conhecimento do Politécnico de Lisboa (Artes, Ciências Sociais e Tecnologias e Engenharias).

Este reconhecimento resulta do trabalho associado à educação ambiental para a sustentabilidade que foi desenvolvido no âmbito dos Programas Eco-Escolas e Jovens Repórteres para o Ambiente, no período 2015-2017.

Na sua intervenção pública, aquando da atribuição do Prémio de Excelência, o professor Vítor Manteigas agradeceu a todos aqueles que contribuíram para este reconhecimento, nomeadamente à Presidência da ESTeSL (atual e precedentes) e ao Instituto Politécnico de Lisboa e respetiva Presidência, que desde o primeiro ano se fez representar nos diferentes Conselhos Eco-Escolas pelos vice-presidentes. Agradeceu ainda a todos os parceiros, entidades externas que ao longo dos últimos anos têm trabalhado diretamente com a ESTeSL e integrado o Conselho Eco-Escolas (Câmara Municipal de Lisboa, Junta de Freguesia do Parque das Nações, Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, jornal Notícias do Parque e Serviços de Ação Social do IPL), assim como outras que mesmo não integrando o Conselho Eco-Escolas têm sido inexcedíveis no seu apoio. Deixou um “obrigado” a toda a comunidade académica, funcionários docentes, não docentes e estudantes, e em particular aos que têm integrado os diferentes Conselhos Eco-Escolas e mais recentemente as Comissões Baixo Carbono. Não deixou de referir as colegas de área científica e em particular a professora Ana Monteiro com quem, desde o primeiro dia, tem partilhado a coordenação do Programa Eco-Escolas na ESTeSL. Agradeceu  também às milhares de escolas do país que estão associadas aos Programas Eco-Escolas e Jovens Repórteres para o Ambiente e com quem tem sido possível aprender imenso, assim como à Associação Bandeira Azul da Europa e à Foundation for Environmental Education pelo reconhecimento dado ao trabalho que tem vindo a ser feito pela ESTeSL e que em muito contribuiu para o Prémio de Excelência que lhe foi atribuído.

O professor Vítor Manteigas terminou a sua intervenção deixando um agradecimento especial a TODOS os estudantes, não deixando de enfatizar o contributo dos estudantes de Saúde Ambiental que, para além do seu papel de destaque no âmbito do Programa Eco-Escolas, têm também contribuído de forma significativa para o sucesso da implementação do Programa Jovens Repórteres para o Ambiente na ESTeSL.

Este prémio está associado aos últimos três anos mas a verdade é que não será possível esquecer o percurso iniciado em 2010/2011 e estes agradecimentos estenderam-se a todos aqueles que, numa ou noutra ocasião, colaboraram e/ou participaram nas inúmeras iniciativas que foram sendo promovidas e que desde essa data contribuíram para o sucesso alcançado pela ESTeSL e, naturalmente, pelo IPL na educação ambiental para a sustentabilidade.

A participação no UNESCO Youth Forum / YRE Mission Portugal, por Cátia Margarido

No início de março havíamos feito referência à participação d’A Saúde Ambiental no Young ESD Leaders Capacity Building Training Course, decorrente da candidatura da Cátia Margarido, licenciada em Saúde Ambiental pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL). Logo por essa ocasião, lançamos-lhe o desafio de nos escrever algumas linhas relativas à sua experiência e que hoje aqui vos trazemos. Muito obrigado à Cátia pela sua partilha e iremos, certamente, aceitar o desafio que entretanto nos deixa…

A participação no UNESCO Youth Forum/YRE Mission Portugal, por Cátia Margarido

«Entusiasmo, incerteza, good feeling! Estas palavras podem resumir o meu estado de alma, antes de iniciar este Fórum da UNESCO. Foi exatamente a credibilidade da Organização UNESCO que me levou a candidatar. Algum tempo após ter terminado a Pós-Graduação do ISEG em Gestão da Sustentabilidade, senti que era boa altura para fazer o refresh destes conhecimentos, incrementando com o know-how de quem trabalha a sustentabilidade diariamente e de quem aspira poder fazê-lo.

Este workshop foi desenvolvido pela UNESCO e pela FEE – Foundation for Environmental Education, sendo promovido localmente pela ABAE – Associação Bandeira Azul da Europa, organização que no nosso país implementa o programa YRE – Young Reporters for the Environment.

O primeiro dia de workshop teve dois momentos principais: o icebreaker em que todos se apresentaram, enunciando um tema/objeto que em termos de sustentabilidade lhes fosse grato ou preocupante; e os vários temas abordados nas apresentações. Os tópicos que os participantes e facilitators trouxeram para discussão foram muito interessantes para mim, enquanto conjunto de diversidade e ao mesmo tempo de unidade sobre o que nos move para o Desenvolvimento Sustentável. As apresentações e discussão de sala foram também muito proveitosas tendo em conta a forma assertiva e sem floreados com que revisitaram os conceitos systems thinking, conflict transformation e liderança.

O segundo dia de workshop trouxe-nos o trabalho de campo. Os vários grupos deslocaram-se a locais previamente definidos para cobrir a sua reportagem ambiental. O grupo a que pertenci teve oportunidade de entrevistar colaboradores e alunos no Colégio Valsassina enquanto Eco-Escola e Escola UNESCO, terminando numa visita guiada ao Oceanário. A forma como um colégio encara a ecologia e o ambiente enquanto caminho escolhido desde à 120 anos para ensinar e formar cidadãos; e um pequeno retalho do oceano de diversidade ambiental que uma das maiores atrações turísticas de Lisboa nos proporciona, encontram-se retratados nos artigos The Art of Ecocentric Education e Harmony of the Seas, disponíveis nos sites Youth Leadership Workshop e YRE International Exposure; tal como todos os outros artigos elaborados nesta jornada.

O último dia trouxe-nos conclusões e reptos. Conclusões quanto aos trabalhos apresentados e como os melhorar e principalmente quanto à importância dos media para o improvement da ESD e do networking para um melhor desempenho quanto aos 17 objetivos para o ESD. Reptos: terminada esta jornada o que é que cada um de vós vai fazer com toda a bagagem que leva daqui? Quais vão ser as vossas ações?

Esta última parte foi para mim fundamental. Desde o primeiro dia em que o tema que trouxe para discussão foi a tragédia dos incêndios em Portugal no passado ano, culminando nesse momento de desafio para o futuro, foi-me permitido tirar um sentido muito positivo quanto à minha presença nesta iniciativa e à necessidade intrínseca de não me acomodar. O Desenvolvimento Sustentável é na minha opinião pautado pela criação de valor para os diversos stakeholders. É esse o caminho para evidenciar junto dessas mesmas partes interessadas que só assim as próximas gerações poderão subsistir em equilíbrio.

Cada um dos presentes foi desafiado a desenvolver este workshop, nas diversas comunidades a que pertence por forma a mobilizar outros cidadãos. Não será a ESTeSL, enquanto instituição de ensino superior recheada de potenciais interessados, um tremendo spot para constituir mais um capítulo desta demanda? One hand cannot clap alone!»

A Saúde Ambiental no Young ESD Leaders Capacity Building Training Course

Irá ter lugar em Almada, entre os dias 15 e 19 de março, o workshop “Young ESD Leaders Capacity Building Training Course“, que será cumulativamente uma Missão Young Reporters for the Environment (Jovens Repórteres para o Ambiente), e que contará com  a presença de mais de 40 participantes oriundos de vários países, nomeadamente: Eslováquia, Canadá, Grécia, França, Mongólia, Turquia, Macedónia, Alemanha, Gana, Escócia, Nova Zelândia, Singapura, Bermudas, Sérvia, Roménia, Malta, Letónia, Montenegro, China, Suécia, Estados Unidos da América e Israel.

Portugal far-se-á representar por sete participantes, oriundos de diferentes zonas do país e de diversas área de formação e onde, naturalmente, a Saúde Ambiental não poderia faltar.

Cátia Margarido, licenciada em Saúde Ambiental pela ESTeSL-IPL, participa no Young ESD Leaders Capacity Building Training Course, YRE Mission

Cátia Margarido, licenciada em Saúde Ambiental pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL-IPL), que foi selecionada dentre inúmeros candidatos, irá participar no Young ESD Leaders Capacity Building Training Course a título individual, mas não deixará de levar consigo o nosso “cunho”.

Muitos parabéns à Cátia e que esta experiência se torne inesquecível, tal como tem sido para os estudantes que entretanto têm participado nos inúmeros projetos e desafios que lhes temos lançado no âmbito do programa “Jovens Repórteres para o Ambiente” desde o ano letivo 2013/2014, e que têm culminado em diversos prémios nacionais e internacionais, decorrentes de trabalhos que têm promovido a divulgação de práticas ambientais de mérito.